Lúcia Helena Storto
Sidney Aguilar Filho

Capítulo 16

A Crise de 1929 e a Revolução

      Neste capítulo iremos analisar a crise final da República Oligárquica que culminou com a Revolução de 1930. l Para isso, é importante que você perceba que esta crise faz parte de um processo que vinha se estendendo desde a Primeira Guerra Mundial. O capítulo anterior dedicado à análise desta crise estrutural nos mostrou que em diversos setores da sociedade brasileira havia um repúdio a ordem instituída.Todas estas oposições, contudo, não foram suficientes para romper o elo da República café-com-leite. A ruptura do poder dos cafeicultores acabou se sucedendo somente quando as oligarquias brasileiras perderam a capacidade de continuar se rearticulando.As dissidências oligárquicas já vinham se demonstrando ao longo dos anos vinte, mas foi somente nos anos de 1929 e 1930, com a crise econômica internacional e com a acirrada campanha eleitoral para presidente, que elas se tornaram golpistas.

Introdução.
A Crise de 1929 e a quebra de bolsa de Nova Iorque.
Pés de café em diversos estados.
Brasil: Principais produtos de exportação (1891 - 1929).
A Crise Final da República Oligárquica.

O Movimento Militar.

 

 

Introdução


A crise da economia cafeeira em charge da época

     Neste capítulo cabe-nos analisar a quebra da Bolsa de Valores de 1929 e a Revolução de 1930.
     Antes de começarmos precisamos ter claro que apesar do termo Revolução, a ruptura político-intitucional de 1930 que tirou o presidente cafeicultor Washington Luís do poder, não passou de um golpe de Estado.Lembramos aqui que o termo Revolução é encarado pela historiografia como algo que vai muito além da mera ruptura constitucional e passa necessariamente por profundas alterações nas estruturas sociais, econômicas e políticas de uma região. Não foi o que aconteceu com nosso país com a "Revolução" de 1930.

 

A Crise de 1929 e a quebra de bolsa de Nova Iorque

     Em 1928 o governo norte-americano, buscando proteger a produção frente aos produtos europeus que voltavam a circular em grande quantidade com a reconstrução do pós-guerra, elevou as taxas de importação.A resposta das economias européias foi a elevação de suas taxas alfandegárias na mesma medida. O resultado foi uma crise no comércio mundial e a recessão.
     A crise que abalou a indústria mundial afetou também a economia agrária norte-americana. O armazenamento de produtos agrícolas, procurando forçar os preços para cima, repercutiu no aumento considerável do custo de vida. O quadro de crise provocou quedas significativas nos preços das ações negociadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque. A venda de ações no mercado aumentou desproporcionalmente. Empresas buscavam se capitalizar jogando suas ações no mercado. Os lotes de ações especulativas eram muito superiores do que se imaginava e, no momento que muitas empresas buscavam a capitalização para superar a crise, as ações na Bolsa estavam em queda livre. O mercado não mais confiava nas ações e elas simplesmente deixaram de ser negociadas. Era a queda da Bolsa de Nova Iorque.
     O "crack" da Bolsa provocou a falência de milhares de empresas norte-americanas, arruinou a produção agrícola e provocou um brutal desemprego. A depressão econômica nos Estados Unidos repercutiu imediatamente no mercado mundial, levando o capitalismo internacional à maior crise de sua história.
     A economia brasileira na época era predominantemente agrário-exportadora. A retração do mercado internacional provocou uma violenta queda nas exportações e a crise econômica se alastrou por todo o país. A parcial falência da cafeicultura levou, entre outras coisas, ao aumento das tensões políticas internas, devendo ser vista como uma das causas imediatas da Revolução de 1930.

Pés de café em diversos estados
1 9 2 1
1 9 3 0
São Paulo
843.592.000
1.188.058.000
Minas Gerais
511.252.100
650.691.700
Espírito Santo
122.500.000
271.400.000
Rio de Janeiro
160.239.000
213.818.000
Bahia
49.799.000
94.440.200
Pernambuco
27.886.000
82.073.000
Paraná
15.138.000
30.229.000
(Fonte: Castro. Citado por Boris Fausto.
História Geral da civilização brasileira. V. 8, p.242)

 

Brasil: Principais produtos de exportação (1891 - 1929)
Datas
Participação (em %) na receita das exportações
Café
Açúcar
Algodão
Borracha
Couros e peles
Outros
Total
1891 - 1900
65,5
6,0
2,7
15,0
2,4
9,4
100,0
1901 - 1910
52,7
1,9
2,1
25,7
4,2
13,4
100,0
1911 - 1913
61,7
0,3
2,1
20,0
4,2
11,7
100,0
1914 - 1918
47,4
3,9
1,4
12,0
7,5
27,8
100,0
1919 - 1923
58,8
4,7
3,4
3,0
5,3
24,8
100,0
1924 - 1928
72,5
0,4
1,9
2,8
4,5
17,9
100,0
Fontes: H. Schlittler Silva; AVillanova Vilela A e W. Suzigan. Citados por Paul Singer. "O Brasil no contexto do capitalismo internacional". Em Boris Fausto. (História Geral da civilização brasileira. 2a. ed., São Paulo, Difel, 1977. v. 8, p.355)



A Crise Final da República Oligárquica

     Os últimos anos do governo de Washington Luís, paulista e cafeicultor, foram marcados por uma acirrada disputa eleitoral. Depois de muitos anos as eleições ganharam um contorno de verdadeira disputa.
     A violenta crise econômica levou Washington Luís a apoiar a candidatura do também paulista e cafeicultor, então governador de São Paulo, Júlio Prestes. Estava rompido o acordo do café-com-leite. O governador de Minas Gerais Antônio Carlos de Andrada, que já tinha como certa sua indicação e falava como futuro presidente, ficou a ver navios.
     O rompimento do acordo do café-com-leite levou a oligarquia mineira a apoiar uma candidatura de oposição. Formou-se a Aliança Liberal : as elites mineiras, gaúchas e paraibanas se uniram em torno da chapa encabeçada por Getúlio Dorneles Vargas, tendo como vice João Pessoa. Esta coligação política apesar de oligárquica, passou a simbolizar toda uma vontade nacional de romper com o monopólio político do café, obtendo apoio de amplos e variados setores políticos. As oligarquias dissidentes e as Forças Armadas identificadas com o Tenentismo, foram os maiores aliados. Na campanha pré-eleitoral, Getúlio Vargas demonstrou também um sólido apoio popular. Comícios gigantescos tomaram as principais cidades do país.
     Apesar das pesquisas demonstrarem a virtual vitória de Getúlio, as eleições, violentamente fraudadas, deram o resultado do pleito favorável a Júlio Prestes. A vitória de Júlio Prestes causou um profundo descontentamento político no país e as tensões se avolumaram. As forças populares começaram a dar demonstrações de que não mais aceitariam em silêncio as falcatruas governamentais.
     As forças oligárquicas e burguesas inquietavam-se com as agitações populares e buscavam controlar o processo político para que não caminhasse para uma radicalização em que as elites perdessem o controle do poder.
     O assassinato de João Pessoa, candidato a vice pela Aliança Liberal, precipitou o confronto. Apesar de ter sido assassinado por questões políticas epecíficas de seu estado natal, a Paraíba, em âmbito nacional tal acontecimento foi usado como pretexto para o movimento de derrubada de Washington Luís e impedimento da posse de Júlio Prestes. Eclodia a "Revolução" de 1930.

 

O Movimento Militar

     No dia 3 de abril de 1930 o então tenente-coronel Góis Monteiro liderava tropas gaúchas rebeladas em direção à capital federal. O apoio de outros setores militares não tardou a chegar. No nordeste o apoio foi quase unânime. De Minas Gerais partiram tropas em direção à São Paulo, reduto cafeicultor. No Rio de Janeiro, capital federal, uma junta militar formada por alguns dos mais importantes generais e almirantes brasileiros, depunham o presidente Washington Luís. Alguns dias depois, Getúlio Vargas assumia como presidente provisório. Era o fim da República Oligárquica.

 

TEXTO COMPLEMENTAR : A GRANDE DEPRESSÃO DE 1930 (JOHN KEYNES) - EM ANEXO

Você Aprendeu:
  • Neste breve capítulo procuramos encerrar mais uma fase da história de nosso país, na qual o governo era monopolizado pelos cafeicultores. Com o término desta fase, assistimos ao fim da República Velha.
  • A ruptura política ocorrida em 1930, acabou com a República Oligárquica. Sua queda derivou de causas estruturais decorrentes de uma longa crise cuja gênese deve ser procurada nos tempos da Primeira Guerra Mundial.A derrubada do governo foi ,então, precipitada por esta crise econômica e também por motivos internos que acabamos de analisar neste capítulo.


C a d e r n o   d o   p r o f e s s o r

Neste capítulo acreditamos ser o debate sobre o conceito de Revolução um dos pontos centrais. É importante elucidarmos o golpismo em 1930 como uma rearticulação das elites brasileiras no poder do Estado. O fim da hegemonia cafeicultora não deve ser encarado como um processo de democratização, mas como uma divisão mais proporcional da ordem instituída entre os diversos setores das elites nacionais. é Julgamos importante ainda a elucidação para o aluno das relações entre a Revolução de 30 com a conjuntura internacional, mostrando como um país muito dependente do mercado externo está constantemente sujeito às oscilações do mesmo.

 

 
HISTÓRIA DO BRASIL
 
MÍDIAS DE HISTÓRIA DA AMÉRICA
   Povos Pré Colombianos
   Colonização
   Imperialismo EUA
 
MÍDIAS DE HISTÓRIA DO OCIDENTE
   Modernidade
   Revolução Francesa
   1° Guerra Mundial
   Revolução RUSSA
   2° Guerra Mundial
  Século XIX
 
BIO-ATUALIDADES
   Doenças Emergentes
   Doenças Ressurgentes
  Superbactérias e Resistência aos Antibióticos
   Engenharia Genética
   Genoma muda a noção de gene
   Projeto Genoma e DNA sequenciamento